Weby shortcut

Brasileiro ignora situação da educação

Criada em 21/11/06 14:05. Atualizada em 24/01/12 08:26.
A percepção do povo brasileiro sobre a qualidade da educação básica pública está bem distante do crítico desempenho dos alunos nas avaliações nacionais e internacionais de educação
Brasileiro ignora situação da educação

 

MARIA REHDER maria.rehder@grupoestado.com.br

A percepção do povo brasileiro sobre a qualidade da educação básica pública está bem distante do crítico desempenho dos alunos nas avaliações nacionais e internacionais de educação. De acordo com a Pesquisa Ibope Educação - encomendada pelo “Compromisso Todos pela Educação” e divulgada ontem em cima de dados apurados em julho -, 25% dos brasileiros avaliam a educação básica pública como ótima e boa. Já 45% a avaliam como regular e apenas 28% da população acredita que a situação do ensino público é péssima ou ruim.

No Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa), realizado em mais de 40 países, porém, o Brasil aparece em último lugar em provas de leitura e matemática. Já o Prova Brasil, exame aplicado pelo Ministério da Educação (MEC) que avaliou cerca de 3,3 milhões de alunos, mostrou que a maior parte dos alunos de 8ª série conhece apenas o que seria ideal para o aluno da 4ª série, como interpretar textos e realizar operações matemáticas.

Escolaridade

Um dado curioso da Pesquisa Ibope Educação é que os brasileiros com menor escolaridade são os que têm a visão menos crítica sobre a situação da educação nacional, pois 35% dos que avaliam a educação pública brasileira como boa e ótima cursaram até a 4ª série do Ensino Fundamental. Já os que apontaram situação péssima ou ruim têm superior completo. “Os que mais precisam saber sobre o cenário crítico do País acabam não tendo acesso à informação”, afirma Fernando Abrúcio, especialista em educação da Fundação Getúlio Vargas.

A pesquisa também mostra que 35% dos pais de alunos matriculados em escolas públicas nem sequer conhecem a existência dos exames de avaliação da qualidade da educação básica pública, como o Prova Brasil. “Enquanto essas avaliações apenas servirem como instrumentos do Estado, será difícil conscientizar a sociedade sobre a real situação da educação brasileira”, diz Abrúcio.

Um fato alarmante, segundo o especialista, é que a educação não está no topo das prioridades do povo brasileiro. “Os pais acham que só o fato de os filhos estarem na escola já é suficiente para que eles tenham oportunidade de emprego no futuro e fiquem longe das drogas.”

Nesta pesquisa, a educação aparece em 7º lugar no ranking das áreas consideradas problemáticas pelos brasileiros. Cerca de 40 % da população acredita que saúde, emprego e segurança são as áreas mais problemáticas, enquanto apenas 15% aponta a educação pública como um dos maiores problemas brasileiros.

Fonte: Jornal da Tarde